O ministro da Saúde enalteceu neste fim-de-semana a importância da Cruz Vermelha de Cabo Verde (CVCV), frisando que as atividades desta instituição continuam a ser fundamentais para o complemento das ações do governo no país. Arlindo do Rosário, que falava no ato de abertura da XI assembleia geral da Cruz Vermelha de Cabo Verde, disse que é a intenção do governo reforçar essa complementaridade das ações com CVCV ao nível da inclusão, da família e da segurança social de uma forma geral, sem esquecer as ações no domínio da saúde.

“Desde 1975, a CVCV tem sido “uma instituição muito importante” para o país, pela sua acção junto das populações, das comunidades mais vulneráveis e também em momentos difíceis como a erupção vulcânica em 2014 na ilha do Fogo”, salientou Arlindo do Rosário. Segundo o governante, desde a sua criação, a CVCV soube afirmar-se em Cabo Verde e no plano internacional, como força de paz e humanitarismo.

“Sempre que chamada a intervir, a CVCV tem mostrado toda a sua resiliência e capacidade para ajudar as populações mais desfavorecidas”, enaltecendo o trabalho desta instituição humanitária. O acolhimento e apoio aos retornados de Angola em 1975, o apoio às vítimas do ciclone Beryl que devastou a ilha Brava, o combate à epidemia da cólera em 1993 e à dengue no país em 2011, são alguns dos exemplos da contribuição da CVCV apontados pelo ministro, quando as populações se encontram em momentos difíceis.

A XI assembleia geral da CVCV, que decorre durante dois dias, tem como objetivo fazer a avaliação das atividades desenvolvidas no triénio 2014-2017 e perspetivar as ações a serem desenvolvidas no horizonte de 2020. O encontro será também momento para a análise da nova proposta de estatutos da sociedade nacional e a eleição dos seus órgãos estatutários. SAPO c\ Inforpress

FONTE: Sapo